Rancho Folclórico das Moleirinhas de Marinhas

Esposende
Descrição
História: Fundado no ano de 1982, este rancho folclórico constituído por quarenta e cinco elementos que trajam modas do antigamente e demonstram através das suas danças e cantares os usos e costumes de antanho desta freguesia, sendo um verdadeiro embaixador cultural do concelho. Em 1998, e após ter gravado dois trabalhos em cassete, o Rancho vê lançado o seu primeiro CD, tornando-se mesmo um dos primeiros grupos da zona a evidenciar tal sucesso. Um ano mais tarde, dá-se vida a outro grande projecto que visa a preservação e divulgação contínua do folclore deste Rancho, com o nascimento do Grupo Infantil das “Moleirinhas de Marinhas”.

A cantar e a dançar as Moleirinhas têm percorrido o país de lés-a-lés tendo, bem como alguns países do estrangeiro, dependendo directamente de outra associação desta freguesia, a Juventude Unida de Marinhas.

Este rancho representa o folclore do Minho (Baixo Minho), região a que pertence, sendo a moagem é recortada pelo seu folclore, pelas danças simples e lindas, pelos seus cantares suaves que fazem lembrar a vida dos moleiros e moleiras desde que o lavrador semeia, rega, malha as espigas, e colhe, até que os moleiros vão com as mulas buscar o milho, que depois de moído nas azenhas ou nos moinhos, é devolvido ao lavrador mediante o pagamento de uma maquia.


Traje
: O Traje de Trabalho ou de Campo é composto por roupa simples, vestindo a mulher uma saia riscada de barra ao fundo, saiote branco, blusa de chita sobre o liso e avental e facha à cinta. À cabeça um lenço chinês e chapéu. O homem vestia calça de fazenda e camisa às riscas ou com quadrados, bem como uma facha. Calçavam socos ou andavam descalços, surgindo com o malho e cesto de espigas em forma de representação do trabalho de campo.

O Traje Domingueiro é mais rico, surgindo o homem com calça de fazenda mais fina, camisa de linho bordada a branco, colete sobre o escuro e chapéu. A mulher usava igualmente uma blusa branca, bordada em branco, colete típico, lenço destacável, saia e avental de uma fazenda mais rica e meia branca. Os luxuosos xailes em mão eram utilizados apenas em casos de luto ou nos invernos rigorosos, e o ouro completava este traje.

O Traje de Moleiro era pobre e cómodo, vestindo o homem uma calça simples, sem cor fixa e sobre o riscado, camisas aos quadrados, facha à cinta e boina na cabeça. Poderia usar socos ou andar descalço. O traje de mulher, um pouco semelhante ao do elemento masculino, era constituído por uma saia riscada, blusa lisa ou quartejada, facha à cinta e lenço chinês. O carregamento constante de fornadas à cabeça ou às costas, obrigava a este elemento a andar descalça de forma a percorrer os trajectos mais ligeira. Tinha por hábito usar saiotes de lãs, esbicados e bordados, utilizando tecidos melhores no interior do traje.

O Traje de Cerimónia das mulheres era feito com tecidos mais finos, brilhantes e sobre o natural, com os rameados ou floridos do próprio tecido e sem qualquer bordado manual. Era composto por uma saia comprida e jaqueta com ou sem gola, utilizando-se blusa ou não, conforme o feitio da própria jaqueta. Usava chinelos mais finos, meias brancas bordadas até à coxa e lenço na cabeça, não com cores garridas, mas sim em tons claros para se destacarem. O elemento masculino usava calça preta de fazenda, camisa branca, colete sobre o escuro e sapato preto.

Composição do grupo
: Este rancho têm crescido em qualidade enriquecido o seu património artístico com um vasto repertório de danças e cantares tradicionais e uma rica tocata que reúne instrumentos tão diversos como o cavaquinho, a pandeireta, o acordeão, a concertina, o banjo, o reque, o bombo e os ferrinhos. Entre dançadores e dançadeiras, tocadores e cantadeiras, este rancho é composto por 45 adultos e 22 crianças.

Danças e Cantares
:. Pertencendo á Região do Minho, rica em folclore, não podemos deixar de frisar os nossos Malhões, Chulas, Regadinhos, Vareiras, Viras, etc. tendo também em conta as danças simples e lindas que fazem parte do seu repertório, são as fortes tradições da região.

Local: Esposende
Albergue de Peregrinos de S. Miguel das Marinhas

Albergue de Peregrinos de S. Miguel das Marinhas

O edifício do Albergue de S. Miguel é propriedade da Junta de Freguesia de Marinhas, sendo a...
Mais informação
Quinta Paço d'Anha

Quinta Paço d'Anha

RNET Nº 149O Paço d'Anha está situado numa quinta agrícola no alto da localidade de Vila Nova de...
Mais informação
Restaurante Rústico

Restaurante Rústico

A meio do caminho entre Barcelos e Esposende, o Restaurante Rústico leva à mesa a cozinha...
Mais informação
Restaurante Vera Cruz

Restaurante Vera Cruz

O restaurante Vera Cruz destaca-se pelo Bacalhau à Vera Cruz, a Vitela e o Cabrito Assado.
Mais informação
Comentários Não existem comentários dos nossos visitantes. Seja o primeiro a comentar.
Avaliar: Faça a sua avaliação